Feeds:
Posts
Comentários

RESOLVI QUE NINGUÉM APAGA NOS MEUS OLHOS O BRILHO DO MEU SORRISO.

Imagem 

Desisti dos disfarces de melancia,Imagem

vou assim mesmo, vestida de mim.

Sem apelos, um pouco menor, mais discreta…

Menos adereços e mais convicção.

Sem GRITAR!

Aceita uma fatia? Melancia na cabeça, não quero mais.

A gente que deixa os pais e muda de cidade muito moleca se torna muito fraca e muito forte ao mesmo tempo.

Aprende desde cedo a lidar com uma saudade imensa e a deixar tudo que se construiu para trás. O referencial, os amigos, a realidade local, nosso mundo, numa fase em que tudo isso é ainda mais importante.

A gente se adapta, com muito custo, a conviver com o novo. TUDO NOVO. A gente se muda e, MUDA. Mas basta um ventinho pra derrubar a gente.

A gente é mais à flor da pele e mais durona ao mesmo tempo. A gente contorna. Segue.

Há gente…

AMOR é o que eu desejo em 2012.

Para todo o resto tem técnica, resposta, saída. Mas o que fazer com a criatividade  enrustida?

Montagem

Percebi que homens são como os sapatos. Os mais atraentes são os que menos ficam no seu pé. Os mais confortáveis são os que você mais pisa. Enquanto os rasteiros, te conquistam a longo prazo.

Existem vários tipos. Os de estilo “Havaiano”, bons na intimidade. São próprios para o banho. E os do gênero “Scarpins”: ideais para te dar status e se exibir para as pessoas. Os “basicões” combinam com todos os tipos eventos. Em compensação, tem alguns que você só tem coragem de usar dentro de casa.

Alguns te fazem perder o equilíbrio. Tem outros que marcam porque o barulho é maior que a utilidade. Há os que te dão visibilidade, os da moda, do momento…

Há os coloridos, geralmente você deixa no armário, mas são a melhor opção quando está tudo muito básico. Já os peludos, apelidados como pantufas, têm bom encaixe. São ideais para estar ao pé da cama para você usar assim que acorda.

Algumas vezes eles conseguem nos surpreender. Os grossos, por exemplo, a princípio não despertam o interesse, mas com o tempo você percebe que consegue ficar equilibrada por mais tempo sobre eles do que sobre os convencionais, e acaba preferindo-os aos agulha. Você descobre que os que você mais quis ter, vão te machucar rapidinho. Sem contar os que no começo te pressionam, até que você acostume.

Há os que você passa horas babando por eles, mas tem consciência que não tem condições de possuir. E os que você faz um sacrifício imenso até conseguir ter. Tem os que você gostaria de poder ir para todos os lugares com eles, de tão confortáveis ou belos. Em contrapartida, há os que te apertam tanto que estragam sua noite. Além dos que grudam no seu pé, esses são difíceis de se livrar.

Os que te fazem sofrer, são os que geralmente mais você se produz para sair com eles. Os que te dão mais conforto, são os menos valorizados.

Antes de investir é bom pensar se combinam com a carteira. Alguns você usa apenas para dar um salto. É bom andar sempre atenta porque uns vão te derrubar, mas outros que vão te deixar lá em cima :pisando em nuvens.

São acessórios que escolhemos dependendo do humor, da ocasião e da conveniência. Há os ideais para te levar ao trabalho. Os descartáveis: da balada, só servem para a balada mesmo! Os especiais na academia…

Quando está com alguns, você demora a sacar onde está pisando.  Paradoxalmente, há os que te levam às alturas. No começo, é ótimo estar com uns, mas no geral tirá-los traz um imenso alívio.

A maioria das mulheres tem uma coleção, mas sempre há os preferidos. Os das outras são sempre exibidos e cobiçados.

Eles acabam te deixando calejada, mas por piores que sejam, ficar sem, incomoda. Escolher um: sempre é um dilema! Contudo, a mulher não resiste e sempre estará por cima de um.

Parte de trovão e se ilumina. Incendeia.